Conheça os diferentes tipos de espumantes ao redor do mundo

Conheça os diferentes tipos de espumantes ao redor do mundo

Conheça os diferentes tipos de espumantes ao redor do mundo

O espumante é uma unanimidade. Seja onde for, seu sabor e borbulhas inconfundíveis são uma excelente pedida para qualquer momento. Os espumantes são cada vez mais apreciados, e conhecer as características e os principais tipos desse vinho é essencial para degustar o que as perlages têm de melhor. Além de ser consumida em diversas regiões do planeta, e combinar com praticamente qualquer menu, a produção do espumante não se resume apenas ao seu berço tradicional, a França. Outros países também já possuem seus processos de produção próprios, e mais, criaram tipos de espumantes específicos, conforme as características da região onde são envasados. Vamos conhecer agora os tipos mais tradicionais de espumante pelo mundo, conforme a sua composição.

Champagne, a elegância francesa

O mais famoso entre todos. Foi aí que se deu o início de toda a história dessa bebida. Os vinhos espumantes representam, hoje, cerca de 10% da produção mundial de vinhos e a região de Champagne produz em torno de 10% dos espumantes do mundo, o que equivale a cerca de 1% dos vinhos produzidos. Mas não se engane, nem todo espumante pode ser chamado de Champagne. Isso porque para receber essa denominação oficial, o rótulo precisa ser produzido na região que leva o mesmo nome, localizada na região norte da França. Além disso, Champagne somente pode ser produzido pelo método Champenoise, em que a segunda fermentação acontece dentro da garrafa. e a partir das uvas tintas Pinot Noir, Pinot Meunier e da branca Chardonnay. Este vinho possui uma rigorosa “Denominação de Origem” utilizada na França. Suas normas de produção são muito restritas, definidas por decreto para sua região. Através de legislação são controlados rendimentos, graduação alcoólica, envelhecimento, delimitação de terroir e uvas, entre outros.

Cava, a leveza do sabor espanhol

Com exceção da região de Champagne, os espanhóis foram um dos pioneiros na produção de espumantes, com início datado no século XIX. Assim como na França, a Espanha tem uma Denominação de Origem para os seus rótulos, com o nome de Cava. Diferente da francesa, essa denominação não se restringe apenas a uma cidade, podendo se espalhar por diversas regiões do país.Os Cavas são produzidos também pelo método Champenoise. Apesar de sua elaboração não estar restrita a uma única região, as uvas utilizadas devem ser originárias de vinhedos autorizados, tais como as brancas Macabeo, Xarel.lo, Parellada, Malvasía, Chardonnay, e tintas, Garnacha, Monastrell, Pinot Noir e Trepat.

Conheça nossa linha de Espumantes

Sekt, o sabor encorpado alemão

Mesmo com toda a tradição da cerveja e chopp entre as festividades culturais, a Alemanha está entre os países que mais consomem espumantes no mundo. E esse consumo só não se difunde e recebe reconhecimento mundialmente devido as suas várias denominações e classificações legais complexas. Claro que o idioma também é uma das barreiras que dificulta o reconhecimento destes rótulos. Diferente dos anteriores, o espumante alemão pode ser produzido tanto pelo método tradicional, como pelo método Charmat. Além dos tradicionais Sekts, os germânicos também produzem os Perlwein, um tipo menos gaseificado, semelhante a um frisante.

Prosecco, Asti e Franciacorta, tradição italiana

Que a Itália possui tradição na produção de vinhos não é novidade para ninguém, porém, esta tradição e qualidade se estende também aos espumantes produzidos no país. Só recebem a denominação clássica de Prosecco, os rótulos produzidos nas cidades de Connegliano ou Valdobbiadene através do método Charmat com as uvas do tipo Prosecco. Já o Asti é um espumante mais suave e adocicado que contém um baixo volume de álcool na sua composição. Composto por uvas Moscato, sua produção ocorre na cidade de Asti, em um processo que leva apenas uma fermentação em tanques. E por fim, o Franciacorta é uma combinação de diversos tipos de uvas cultivadas dentro nas colinas de Brescia, na Lombardia, a partir das uvas Chardonnay e Pinot Blanc, com 15% de Pinot Noir. O rosé deve possuir mais de 15% de Pinot Noir. Vale lembrar que os três tipos possuem Denominazione di Origine Controllata e Garantita (DOCG), desde 1995.

Peterlongo, o delicioso sabor brasileiro

A serra gaúcha é conhecida como berço da produção de espumantes no Brasil, por diversos motivos, dentre eles a presença de imigrantes europeus na região, além do clima que se assemelha ao europeu, e contribui para o cultivo da uva e armazenagem do produto. Na 1º Exposição de Uvas de Garibaldi. Manoel Peterlongo recebe a “Medalha de Ouro” relativo a seu “moscato Typo Champagne”. É o primeiro registro oficial da bebida sendo elaborada no Brasil, em 1913. Com mais de 100 anos de tradição, a Vinícola Peterlongo oferece a todos os seus clientes rótulos produzidos respeitando os mais rigorosos processos de qualidade. Garantindo que você tenha a melhor experiência ao degustar de um dos nossos rótulos. Acesse nosso site e escolha o mais adequado a sua ocasião para fazer bonito na hora do brinde.

E você, já provou algum tipo de vinho internacional que tenha te surpreendido. Compartilhe conosco sua experiência.

Junte-se aos nossos assinantes.

Receba as notícias do nosso blog, quentinhas, direto do forno.




Posts mais vistos


  • Conheça nossa linha de Espumantes