O impacto do clima sobre a videira

O impacto do clima sobre a videira

O impacto do clima sobre a videira

Cada vinho que é elaborado apresenta suas individualidades. Vários fatores contribuem para que estas características se tornem marcantes. Um destes fatores é o clima. O clima possui forte influência sobre a videira, sendo importante na definição das potencialidades de cada região. Ele interage com os demais componentes no meio natural, em particular com o solo, com a variedade e com as técnicas de cultivo.

Existem cinco aspectos do clima que devem ser considerados no cultivo da videira: temperatura, luz solar, chuva, amplitude térmica e altitude. 

 

 1. Temperatura

Regiões mais quentes, de baixa altitude ou baixa latitude, tendem a produzir vinhos de acidez moderada e maior teor alcoólico. Já as regiões mais frias, com maior altitude ou maior longitude, produzem vinhos mais refrescantes, com a tendência de gerar vinhos com maior acidez e um teor alcoólico mais baixo, com bastante cor e aromas.

 

 2. Luz solar

A luz solar incide no amadurecimento das uvas e na formação de compostos fenólicos.

A videira deve ser cultivada em terrenos onde a incidência de sol seja direta e durante todo o dia, fazendo com que haja o total aproveitamento do fotoperíodo. O sol da manhã ajuda a secar o orvalho mais rápido evitando assim o desenvolvimento de doenças. A incidência de sol nos cachos deve ser regulado através da poda verde onde retiramos as folhas para aumentar o arejamento e a luminosidade. Sempre evitar deixar expostos os cachos a luz do sol durante as horas mais quentes do dia pois podem causar queimaduras nas bagas e mudar o perfil de aroma e cor da uva. Nas uvas onde a incidência do sol é equilibrada temos vinhos com mais cor e aroma e menor acidez enzimática.

 

3. Chuva

A necessidade de água da videira pode variar de 400 mm a 1200 mm para o seu completo desenvolvimento durante a fase vegetativa, que vai da brotação, passando por floração, frutificação, amadurecimento até as quedas das folhas. No Rio Grande do Sul a chuva é a principal fonte de água para as plantas. Em anos mais secos podemos observar uma menor produção devido ao menor desenvolvimento do cacho e das bagas, menor concentração de acidez e maior concentração de açúcar. Dependendo da severidade da seca pode ocorrer queda das folhas e morte de plantas. Em anos chuvosos temos maiores produções com uvas mais ácidas e menor quantidade de açúcar.

 

 4. Amplitude térmica

A amplitude térmica é a variação da temperatura ao longo do dia. A grande amplitude térmica é benéfica para a qualidade das uvas, pois durante o dia, com as temperaturas mais altas, há uma maior atividade da planta produzindo mais compostos aromáticos e açúcares e durante a noite, com temperaturas mais baixas, a planta diminui a sua atividade de respiração o que aumenta a taxa de acumulação dos compostos produzidos durante o dia. Então com uma amplitude térmica alta a uva amadurece mais cedo tornando-se mais aromática.

 5. Altitude

A temperatura média de uma região é fortemente influenciada pela altitude. De forma geral, a cada 100 metros na variação da altitude, temos uma variação de 0,65 °C na temperatura média diária. Em maiores altitudes observamos também uma amplitude térmica maior, com dias quentes e noites frias, ajudando na qualidade final de maturação das uvas.

 

Para saber quais são todas as variedades de vinhos e espumantes elaborados pela Vinícola Peterlongo, acesse nossa loja online: loja.peterlongo.com.br.

Junte-se aos nossos assinantes.

Receba as notícias do nosso blog, quentinhas, direto do forno.




Posts mais vistos